Foto: Fábio Pozzebom / ABr  //

O Governo está a estudar a possibilidade de vir a usar helicópteros da Protecção Civil ou drones para fazer o controlo de velocidade nas estradas portuguesas, admitindo também instalar mais radares e inibir o sinal de telemóvel ao volante.

 Ideias transmitidas pelo secretário de Estado da Protecção Civil, José Artur Neves, aos jornalistas à margem da apresentação de um estudo sobre condutores do Automóvel Clube de Portugal, com medidas para contrariar o “preocupante” aumento do número de mortos nas estradas em 2017, travando uma tendência de cada vez menos sinistralidade grave.

“É uma das soluções seguidas em Espanha e França e há a possibilidade de também cá termos esse modelo”, declarou, afirmando que há “tecnologias muito evoluídas” e relativamente simples, que poderão equipar “os helicópteros que estão ao dispor da Autoridade Nacional de Protecção Civil” para serem usados na fiscalização de velocidade.

Numa avaliação prévia, o Governo está a encará-la como “uma boa solução” para enfrentar o problema da velocidade excessiva que provoca acidentes.

A tutela estuda também “aplicações com as operadoras para diminuir o uso de telemóvel”, incluindo “inibições de sinais” com respostas automáticas para chamadas recebidas que indicam que “o condutor está ao volante e não pode atender a chamada”.

Assim se pretende evitar “um dos principais factores de acidentes, as colisões e despistes que resultam, não da estrada, mas do uso do telemóvel.

As soluções mãos livres podem “limitar o uso da mão, mas não resolvem o problema da distracção”.

“O alargamento da rede de radares, reduzir o limite de velocidade para 30 quilómetros por hora em alguns locais e a geo-referenciação de locais de acidentes recorrentes” são outras medidas que se admitem para cumprir o Plano Nacional de Segurança Rodoviária e voltar a reduzir os números da sinistralidade.

Segundo números provisórios da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, em 2017 morreram 509 pessoas nas estradas portuguesas, mais 64 do que em 2016, e os feridos graves aumentaram de 2102 para 2181.

José Artur Neves salientou o facto de 54% das mortes terem ocorrido dentro de localidades.

ZAP // Lusa

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.