foto : Océano Limpio Tenerife / Facebook

As Canárias, arquipélago ao qual pertence a ilha de Tenerife, estão localizadas no meio da corrente marinha que atravessa o Atlântico norte, que atua como uma espécie de barreira, fazendo com que os resíduos que são arrastados pelas águas acabem nas suas praias.

As imagens foram gravadas no passado 24 de março, data em que foi agendada uma ação de limpeza coordenada por uma organização ambiental. Durante o vídeo, é possível ouvir María Celma, fundadora do movimento de limpeza marinha Oceano Limpo Tenerife.

Celma lamenta o estado lastimável em que se encontra a praia. “É desolador (…) Tudo o que veem são caminhos de micro-plásticos”.

Não é preciso ir à Indonésia para ficar com os olhos em lágrimas”, comenta a ativista que, com esta gravação, pretende consciencializar a população de que é “essencial” realizar um projeto para proteger o meio ambiente.

Ayer en El Poris.Así me sentía…..#océanolimpiotenerife #oceanolimpiotnf2019 #oceanolimpiotenerife #porpocoquehagamos #tenerife #tenerifesur #tenerifenorte #tenerifelicidad #tenerifesea #tenerifephoto #canarias #islascanarias #canaryislands #savetheocean #savetheoceans #savethesea #saveanimals #cleanocean #cleanoceans #plastickills #plasticfree #plastico #plasticocean #plasticfreeoceans #take3forthesea #5minutesbeachcleanup

Publicado por Océano Limpio Tenerife em Segunda-feira, 25 de março de 2019

O vídeo foi grava na Playa Grande mas, segundo explicou a ativista em declarações ao Verne, existem várias outras praias atingidas em Tenerife, muitas das quais ainda mais sujas. “Todos os plásticos estão expostos na areia, na Playa Grande, mas existem praias rochosas que são muito mais sujas, mas tal só se percebe ao levantar pedras”.

Depois de o vídeo ter sido divulgado nas redes sociais do movimento, surgiram maisiniciativas individuais e coletivas que visam ir até às praias afetadas para terminar de recolher as camadas de plástico que as cobrem.

Os plásticos são hoje, mais do que nunca, um problema para o meio ambiente. Estas substâncias, que levam anos a degradar-se são uma ameaça real para os mares e para todos os ecossistemas que abrigam.

De acordo com a Greenpeace, todos os anos mais de um milhão de aves e mais de 100 mil mamíferos marinhos morrem devido aos plásticos que acabam no mar.

Este problema ambiental obrigou recentemente à tomada de decisões políticas. A União Europeia pretende, até 2023, proibir produtos de plástico de uso único. Materiais plásticos como pratos, copos, talheres, palhinhas, varas de balões ou cotonetes deverão começar a ter um fim na União Europeia em 2021, prolongando-se a sua retirada até 2023.

ZAP // Russia Today

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.