A ideia de conservar e criar um museu do balneário romano de Chaves levou a Câmara Municipal a candidatar-se a 800 mil euros de fundos comunitários, para a conservação e musealização do balneário romano.

A descoberta das termas medicinais romanas, surgiram após se iniciarem a construção de um parque de estacionamento subterrâneo, em 2005, no centro da cidade de Chaves, que depois de analisadas se percebeu terem quase dois mil anos.

As escavações colocaram a descoberto duas grandes piscinas, sete de pequenas dimensões e ainda um complexo sistema hidráulico de abastecimento às estruturas e que, para espanto,  ainda hoje funciona.

Para preservar esta descoberta foi construído um edifício, que tem sido alvo das críticas  dos habitantes da cidade, no entanto, o presidente da Câmara de Chaves, António Cabeleira, acredita que todo o complexo se  transformará em mais um ponto de referencia turística que  atrairá  à cidade flaviense, não só turistas como  especialistas em  arqueologia e da hidrologia.

Nesta fase, a câmara submeteu uma candidatura ao Norte 2020, num valor que ronda os 800 mil euros, com o intuito de conservar o antigo balneário, a sua musealização e abertura ao público, no ano de 2018.

Resta aguardar que a candidatura seja bem sucessiva, a propósito o autarca de Chaves afirma “Estamos convictos que ela vai ser aprovada devido ao valor do achado arqueológico”

iPG

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui