A ideia não é nova e já tem sido trabalhada por diversas universidade e start ups: utilizar a energia gerada pelo trânsito rodoviário para produzir e vender electricidade. Agora, a cidade de Lisboa pretende utilizar este processo para gerar mais receitas e, com isso, tornar a cidade mais inclusiva, de acordo com o presidente da autarquia, António Costa.

O projecto está a ser trabalhado em parceria com investigadores da Universidade da Beira Interior (UBI), tendo a Câmara de Lisboa candidatado um projecto que procura aproveitar a energia cinética produzida pela circulação automóvel na cidade para criar electricidade, que poderá ser reutilizada, armazenada ou vendida pelo município.

“É colocado um tapete por cima do pavimento, que capta a energia, e é instalado um sistema, fora do pavimento, que converte essa energia, transforma-a e injecta-a na rede”, explicou um dos mentores do projecto, Francisco Duarte.

O investigador disse que o tapete é semelhante aos pavimentos para a redução de velocidade, aproveitando a energia que é feita pelos veículos para abrandar. A Avenida da República será uma das zonas em que o sistema poderá ser aplicado. As outras ainda estão a ser estudadas.

Segundo os investigadores da UBI, será possível atingir poupanças na ordem dos €145 mil em consumos eléctricos e reduções de 337 toneladas de emissões de dióxido de carbono.

A capital portuguesa está entre as 21 finalistas do concurso internacional Mayor’s Challenge, da Bloomberg Philanthropies, fundação do ex-presidente da Câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg que visa premiar com €5 milhões o projecto mais inovador para resolução de desafios e melhoria da vida urbana, com potencialidades para serem partilhadas com outras cidades.

Este prémio poderá financiar o sistema, que tem um prazo de execução de dois anos: o primeiro dedicado ao desenvolvimento e investigação do projecto e o segundo para aplicação do sistema.

“Seremos compradores do projecto assim que estiver desenvolvido e for implementável”, explicou António Costa. Os investigadores da UBI trabalham neste projecto há três anos e já desenvolveram um projecto-piloto, na Covilhã.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui