O PCP anunciou este sábado que vai realizar uma campanha sobre a saída do euro, entre janeiro e junho de 2017, e pediu medidas ao Governo que impeçam novo “caos nas urgências hospitalares” associado ao surto de gripe.

Estas posições, decididas em Comité Central, foram comunicadas aos jornalistas pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa, na sede nacional deste partido, em Lisboa.

O secretário-geral do PCP afirmou que “foi decidido realizar uma campanha em torno da libertação da submissão ao euro, entre janeiro e junho de 2017, em articulação com a exigência de renegociação da dívida e a recuperação do controlo público da banca“.

Quanto à saúde, Jerónimo de Sousa declarou que o PCP considera que existe “a imperiosa necessidade de tomada de medidas” no setor, “agora que se aproxima o pico das temperaturas baixas com o surto de gripe a elas associado”.

“A possibilidade de se repetirem situações de caos nas urgências hospitalares é real. É necessário impedir situações idênticas às verificadas nos últimos anos, com tempos de espera muito acima do que seria normal e com consequências dramáticas para alguns dos doentes que recorreram a esses serviços”, defendeu.

Na declaração que leu aos jornalistas, Jerónimo de Sousa alertou também para o que classificou de “grave situação existente no setor dos transportes públicos, em resultado da saída de trabalhadores e da persistente falta de manutenção das frotas, problemas que têm condicionado de forma preocupante a mobilidade das populações nos últimos anos”.

“O PCP defende a necessidade da tomada de medidas urgentes visando a solução dos problemas existentes, designadamente nos transportes fluviais e no metropolitano”, disse.

/Lusa

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.