foto : Sam-Cat / Flickr

Captura e armazenamento de carbono é um tema badalado entre os investigadores que lutam para salvar o planeta das alterações climáticas. Os cientistas estão constantemente a tentar desenvolver e melhorar materiais que possam capturar dióxido de carbonoda atmosfera.

Na Universidade de Swansea estão a desenvolver um novo material promissor a partir de uma amina líquida — uma substância química conhecida pela sua capacidade de reagir com CO₂, mas que na forma líquida não consegue fazê-lo com eficácia. Os resultados foram publicados, semana passada, na revista Chemistry of Materials.

Ao apenas adicionar cola suficiente para fazer a amina líquida transformar-se num sólido, o novo material resultante é capaz de capturar um quinto do seu próprio peso em CO₂. A cola é um tipo de resina epóxi — usada em tintas e vernizes. O trabalho dos cientistas mostra que estas resinas podem ser um ingrediente-chave na fabricação de materiais de captura de carbono.

Uma vez que grandes avanços estão a ser feitos em energias renováveis, estará a tecnologia de captura de carbono a tornar-se redundante? Infelizmente não. Há uma concentração de CO₂ na atmosfera cerca de 1,5 vezes maior do que havia nos tempos pré-industriais.

Se quisermos limitar o aquecimento global a 1,5°C para evitar as piores consequências das alterações climáticas, o CO2 atmosférico terá de ser capturado numa escala industrial e transformado em novos produtos químicos úteis ou enterrado em reservatórios de petróleo esgotados.

Para todos os danos que está a causar, na realidade, o CO₂ representa apenas 0,04% da atmosfera, dificultando muito a extração diretamente do ar. O trabalho dos cientistas britânicos focou-se principalmente na captura de CO₂ antes de fazer fumaça em usinas onde as concentrações de CO₂ variam de 8 a 15% e as temperaturas podem estar entre 40 e 100°C.

Processos industriais que realizam captura de CO₂ atualmente usam aminas líquidas, mas essa tecnologia acarreta problemas. É muito cara, não é muito eficiente e os produtos químicos são altamente corrosivos e tóxicos para o meio ambiente. É por isso que é necessário algo melhor que possa corresponder à escala desse problema.

A próxima geração de captura de carbono

Os cientistas mostraram que as moléculas de cola unem as moléculas de amina líquida numa massa sólida. Ser sólido torna mais fácil e seguro de manusear e muito mais barato de reutilizar, em comparação com os atuais materiais de captura de carbono que são líquidos. A resina epóxi também é barata e amplamente produzida. Quando esta e a amina líquida são combinadas, o material sólido que se forma é muito eficaz na captura de CO₂.

No entanto, numa chaminé, o material seria exposto a uma mistura de gases e teria que capturar exclusivamente dióxido de carbono. Os cientistas conduziram uma experiência para ver se consumiria nitrogénio — o gás mais abundante na atmosfera da Terra —, mas isso não aconteceu, confirmando que o material une-se seletivamente ao CO₂.

De seguida, testaram a capacidade do material de capturar CO₂ sob as condições replicadas da chaminé. Testaram o material com uma corrente de gás que era 10% CO₂ e 90% N₂ a 90°C. Assim que o dióxido de carbono foi capturado, a temperatura foi aumentada para 155°C para remover o CO₂ capturado e regenerar o material para que pudesse ser reutilizado.

O material capturou 9,5% do seu peso em CO₂ ao longo de 29 ciclos sucessivos — um desempenho muito bom para um material que teria de funcionar constantemente para capturar e libertar CO₂ dentro de uma chaminé.

Este material pode ser a próxima geração em materiais de captura de carbono sólido. Cola: comum, barata e abundante, ainda poderia encontrar um novo e valioso papel na luta contra as mudanças climáticas.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui