foto: António Cotrim / Lusa

Cento e oito detenções foram feitas nos primeiros 15 dias do estado de emergência devido à covid-19 e mais de mil entradas foram recusadas no país através das fronteiras com Espanha, revelou o ministro da Administração Interna.

Em conferência de imprensa realizada após a quinta reunião da estrutura de monitorização do estado de emergência, realizada no Ministério da Administração Interna, Eduardo Cabrita destacou 29 detenções por violação do dever de confinamento obrigatório, 10 por violação da cerca sanitária de Ovar e 16 por várias tentativas em manter abertos estabelecimentos comerciais que deviam estar encerrados.

Para o ministro, estas sãos os três tipos de detenções mais graves.

Na mesma declaração aos jornalistas, Eduardo Cabrita revelou que foram controlados 132 mil cidadãos na fronteira com Espanha, havendo registo de 1126 recusas de passagens.

O governante disse ainda que mais de 4 mil portugueses indicaram pretender ter apoio do Estado no seu regresso a Portugal. “Cerca de 75% desses repatriamentos já estão concretizados e estão a realizar-se diligências” para os restantes, disse.

A reunião da estrutura de monitorização desta sexta-feira serviu para fazer um balanço da aplicação da primeira quinzena do estado de emergência e abordar os novos comportamentos determinando para o novo período.

O estado de emergência foi esta sexta-feira renovado até 17 de abril com mais medidas restritivas, nomeadamente a proibição de grupos na rua com mais de cinco pessoas, além de regras mais apertadas de circulação para o período da Páscoa, como encerramento dos aeroportos e proibição de circulação fora do concelho de residência.

ZAP // Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui