Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO //

Segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde, em 2017 só a China e a Índia terão mais desempregados do que o Brasil.

O número de desempregados no mundo deverá subir de 5,7% em 2016 para 5,8% em 2017, o que representará um aumento de 3,4 milhões no número de pessoas desempregadas em todo o mundo.

A conclusão é de um relatório apresentado esta quinta-feira pela Organização Internacional do Trabalho, OIT. Segundo o relatório, em todo o planeta haverá em durante este ano 201,1 milhões de pessoas sem emprego.

O estudo, intitulado “Perspectivas sociais e do emprego no mundo – Tendências de 2017“, revela que um em cada três novos desempregados será brasileiro.

A OIT estima que o Brasil terá mais 1,2 milhões de desempregados por comparação com 2016, passando de um total de 12,4 milhões para 13,6 milhões, e chegará a 13,8 milhões em 2018.

Segundo dados divulgados a 29 de dezembro do ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o desemprego atingia 12,1 milhões de pessoas no Brasil – a taxa mais baixa desde 2012.

Os número de desempregados teve um crescimento de 33,1% em relação ao mesmo trimestre do ano passado – o equivalente a 3 milhões de pessoas a mais em busca de trabalho.

Em termos absolutos, o Brasil terá a terceira maior população de desempregados entre as maiores economias do mundo, superado apenas pela China e Índia.

A OIT prevê que o número subirá de 37,3 milhões para 37,6 milhões na China em 2016, e aumentará de 17,7 milhões para 17,8 milhões na Índia. A organização projecta o índice de desemprego no Brasil neste ano em 12,4%, um ponto acima do percentual de 2016. Para 2018, a projecção é também de 12,4%.

O relatório mostra ainda que as formas vulneráveis de trabalho – como trabalhadores familiares não remunerados e trabalhadores por conta própria – devem representar mais de 42% da ocupação total, ou seja, 1,4 mil milhão de pessoas em todo o mundo em 2017.

“O crescimento económico continua decepcionante e é menor do que o esperado, tanto em nível quanto em grau de inclusão. Isso traça um quadro preocupante para a economia mundial e sua capacidade de criar empregos suficientes, muito menos empregos de qualidade”, afirmou o director geral da OIT, Guy Ryde, na apresentação do relatório.

“A persistência de altos níveis de formas vulneráveis de emprego, associadas a uma evidente falta de avanços na qualidade dos empregos – mesmo em países onde os números agregados estão melhorando – é alarmante. Temos de garantir que os ganhos do crescimento sejam compartilhados de forma inclusiva”, acrescentou Guy Ryde.

// Ciberia / VoA

COMPARTILHAR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor introduza o seu nome aqui